Principal >> Noticias Do Mundo >> Pesquisa sugere que mais de 70% dos eleitores muçulmanos apóiam Hillary Clinton

Pesquisa sugere que mais de 70% dos eleitores muçulmanos apóiam Hillary Clinton

A pesquisa conduzida pelo Conselho de Relações Americano-Islâmicas lista a proibição proposta, o terrorismo e a segurança nacional como algumas das principais áreas de preocupação para eles.

Eleições dos EUA, eleições dos EUA de 2016, eleitores muçulmanos, Hillary Clinton, Clinton, Donald Trump, Trump, proibição de muçulmanos, CAIR, notícias dos EUA, notícias do mundo, últimas notícias, expresso indianoDonald Trump e Hillary Clinton, (foto do arquivo)

Sete em cada dez americanos-muçulmanos vão votar na candidata democrata Hillary Clinton nas eleições presidenciais de novembro, enquanto apenas quatro por cento da comunidade votaram no candidato republicano Donald Trump, que pediu uma polêmica proibição de muçulmanos entrarem nos Estados Unidos.

Faltando menos de um mês para as eleições gerais de 8 de novembro, a pesquisa conduzida pelo Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR) relaciona a proibição proposta, o terrorismo e a segurança nacional como algumas das principais áreas de preocupação para eles.

O CAIR, a maior organização muçulmana de defesa e direitos civis do país, divulgou na quinta-feira os resultados de uma pesquisa nacional, indicando uma alta participação de muçulmanos nas urnas, com 72 por cento dos entrevistados dizendo que votarão no homem de 68 anos. ex-secretário de Estado.

Existem cerca de 3,3 milhões de americanos-muçulmanos, de acordo com uma estimativa de 2016, constituindo cerca de 1 por cento da população dos EUA. Cerca de 86 por cento dos eleitores muçulmanos registrados pretendem votar na eleição presidencial deste ano, enquanto 12 por cento dos eleitores muçulmanos ainda estão indecisos.

De acordo com a pesquisa telefônica independente ao vivo com mais de 800 eleitores muçulmanos, apenas 4% disseram apoiar o astro da TV de 70 anos.

A falta de apoio a Trump pode ser vista como resultado de seus ataques diretos à comunidade muçulmana. Ele frequentemente culpou os muçulmanos por atividades terroristas e prometeu aumentar o controle da fronteira para restringir o número de imigrantes pertencentes à comunidade.

Os eleitores disseram que entre a infinidade de questões discutidas durante a campanha eleitoral pelos candidatos, as seis questões mais importantes para os eleitores muçulmanos americanos são direitos civis, educação, empregos e economia, protegendo os alunos de intimidação e assédio, a proibição proposta sobre a entrada de muçulmanos nos EUA, terrorismo e segurança nacional.

Cada uma das partes foi avaliada pelos entrevistados quanto à amizade com os muçulmanos.

Sessenta e um por cento dos entrevistados disseram que o Partido Democrata era amigável com os muçulmanos, em comparação com 7% do Partido Republicano.

Em contraste, 62 por cento dos entrevistados disseram que o Partido Republicano era hostil com os muçulmanos, enquanto 2 por cento disseram que o Partido Democrata era hostil.

Em comparação com 2012, os muçulmanos nos últimos quatro anos desenvolveram percepções mais favoráveis ​​do Partido Democrata e percepções menos favoráveis ​​do Partido Republicano.

Dos entrevistados, 91 por cento disseram que a proposta de proibição temporária de Trump aos viajantes muçulmanos que entram nos Estados Unidos é a decisão errada, enquanto apenas 3 por cento consideram correta.

Outros 85 por cento dos entrevistados acreditam que a islamofobia e o sentimento anti-muçulmano nos EUA aumentaram no ano passado, com 30 por cento dos entrevistados dizendo que sofreram discriminação ou traição no ano passado.

Os resultados da nossa pesquisa indicam que os candidatos presidenciais ainda têm tempo para apelar aos eleitores muçulmanos americanos, abordando questões como a erosão dos direitos civis e a crescente islamofobia, disse o Diretor de Assuntos Governamentais do CAIR, Robert McCaw.