Principal >> Noticias Do Mundo >> Avião russo que caiu na Península do Sinai estava em boas condições, diz oficial

Avião russo que caiu na Península do Sinai estava em boas condições, diz oficial

O funcionário egípcio, que falou sob condição de anonimato por não estar autorizado a falar com a mídia, disse ser membro de uma equipe de inspeção técnica que incluía dois russos.

Sinai, Rússia, Acidente de Avião Russo, Acidente de Avião no Sinai, Avião Russo, Avião no Sinai, Acidente de Avião na Rússia, Acidente de Avião, Notícias sobre Acidente de Avião, Notícias da Rússia, Ísis da Rússia, Notícias do mundoNesta foto divulgada pelo gabinete do primeiro-ministro, Sherif Ismail, à direita, olha para os restos de um avião de passageiros acidentado em Hassana, Egito. (Fonte: foto AP)

Um oficial do serviço de solo egípcio que realizou uma inspeção pré-voo no avião de passageiros russo que caiu na Península do Sinai disse no domingo que o Airbus A321-200 parecia estar em boas condições.

O avião Metrojet, com destino a São Petersburgo, na Rússia, caiu 23 minutos depois de decolar do resort egípcio de Sharm el-Sheikh no Mar Vermelho na manhã de sábado. As 224 pessoas a bordo, todas russas, exceto quatro ucranianos e um bielorrusso, morreram.

O funcionário egípcio, que falou sob condição de anonimato por não estar autorizado a falar com a mídia, disse ser membro de uma equipe de inspeção técnica que incluía dois russos.

Todos nós estamos chocados. Era um bom avião. Tudo verificado em 35 minutos, disse o funcionário à Associated Press. O mais próximo que o avião esteve de ter problemas, disse ele, foi há três meses, quando o piloto abortou a decolagem no meio do caminho devido a um erro do sistema. No entanto, isso é quase rotina, disse ele.

No entanto, um canal de TV russo na noite de sábado citou a esposa do co-piloto dizendo que seu marido havia reclamado das condições do avião. Natalya Trukhacheva, identificada como esposa do co-piloto Sergei Trukhachev, disse que uma filha ligou para ele antes que ele partisse. Ele reclamou antes do vôo que as condições técnicas da aeronave deixavam muito a desejar.

Outro funcionário egípcio havia dito anteriormente que antes de o avião perder o contato com os controladores de tráfego aéreo, o piloto havia comunicado por rádio que a aeronave estava passando por problemas técnicos e que pretendia tentar pousar no aeroporto mais próximo.

O regulador de segurança aérea da Rússia ordenou no domingo que a Metrojet, com sede em Moscou, suspendesse temporariamente os voos. Rostransnadzor, o cão de guarda da segurança do transporte da Rússia, disse que a Metrojet precisava analisar minuciosamente a situação e pesar todos os riscos antes que as autoridades decidam na segunda-feira se levantam a suspensão.

Apesar da ordem, a Metrojet disse que não suspenderá totalmente os voos de seus seis A321s restantes. Ele disse que verificará os aviões um por um e continuará operando se eles passarem nas inspeções. As reivindicações conflitantes não podiam ser explicadas imediatamente.

Uma afiliada local do grupo extremista Estado Islâmico afirmou que derrubou a aeronave, mas o ministro dos transportes da Rússia rejeitou a alegação. Os militantes não ofereceram nenhuma evidência para apoiar sua afirmação.

Em São Petersburgo, centenas de pessoas levaram flores e fotos ao aeroporto da cidade para comemorar as 224 vítimas. Elena Vikhareva, 48, foi com seu filho colocar flores, dizendo que a dor está perfurando seu coração, embora ela não tivesse parentes no avião. Vladimir Povarov, 19, trouxe flores com um amigo, dizendo que não poderíamos ficar indiferentes.

Outras pessoas traziam aviões de papel, brinquedos de pelúcia e fotos das vítimas.

Enquanto isso, a Emirates, com sede em Dubai, a maior companhia aérea do Oriente Médio, disse no domingo que parou de voar sobre o Sinai do Egito até que se saiba mais sobre a queda do avião russo.

Ele se junta a duas grandes companhias aéreas europeias, a alemã Lufthansa e a Air France, que anunciaram após o acidente no sábado que parariam imediatamente de voar sobre o Sinai por razões de segurança até que a causa do acidente fosse determinada.

Dois ministros do gabinete russo - o ministro dos Transportes, Maxim Sokolov, e o ministro de Emergências, Vladimir Puchkov - estavam no domingo inspecionando o local do acidente em uma remota parte montanhosa do norte do Sinai, disse a porta-voz do governo russo Zhanna Terekhova. Eles se juntaram a Alexander Neradko, chefe da agência estatal de aviação civil da Rússia.

Os oficiais também verão os dados do avião e os gravadores de voz da cabine, disse Terekhova. Também se juntaram aos esforços no domingo, funcionários da agência francesa de investigação de acidentes BEA, envolvidos porque o jato Airbus A321-200 foi projetado na França. A equipe incluiu seis consultores técnicos da Airbus.

O BEA disse que a equipe também seria acompanhada por dois investigadores de sua contraparte alemã BFU, porque o avião foi fabricado na Alemanha, e quatro investigadores de sua contraparte russa MAK, porque o avião era operado por uma empresa russa.

Mais de 100 trabalhadores do Ministério de Emergências da Rússia estavam no local do acidente ajudando a procurar corpos e examinar escombros. O ministério russo disse que suas equipes foram acompanhadas por militares egípcios através do agitado norte do Sinai, onde o Egito está lutando contra uma insurgência islâmica.

Autoridades russas disseram que as equipes de resgate precisam vasculhar 16 quilômetros quadrados (mais de 6 milhas quadradas) para procurar os corpos das vítimas e destroços de aviões. O gabinete egípcio disse no domingo que 163 corpos foram recuperados até agora e enviados para necrotérios no Cairo.