Principal >> Mundo >> A empresa farmacêutica do Japão diz que 'erro humano' causou contaminação das vacinas Moderna

A empresa farmacêutica do Japão diz que 'erro humano' causou contaminação das vacinas Moderna

O novo relatório disse que o problema resultou de 'montagem incorreta e foi devido a erro humano específico para avaliar visualmente mal o intervalo de 1 mm necessário entre a roda-estrela e a rolha' da maquinaria que coloca as tampas nos frascos de vacina.

Esta foto mostra frascos das vacinas Moderna e Pfizer Covid-19. (Foto: AP)

A Takeda Pharmaceutical Co Ltd do Japão (4502.T) disse na sexta-feira que um erro humano fez com que contaminantes de metal entrassem nas doses da vacina Covid-19 da Moderna Inc (MRNA.O), levando a um recall.

A Takeda, que importa e distribui a vacina no Japão, e a Moderna disseram em um novo relatório que um fabricante espanhol descobriu contaminantes em alguns frascos em julho, mas suprimentos da mesma produção puderam ser enviados ao Japão.

As autoridades japonesas suspenderam em agosto o uso de três lotes de tiros Moderna contendo 1,63 milhão de doses após serem notificados da contaminação. A Moderna conduziu uma investigação em parceria com a Takeda e a espanhola Rovi (ROVI.MC), que opera a planta onde ocorreu a contaminação.

O novo relatório disse que o problema resultou da montagem incorreta e foi devido a erro humano específico para avaliar visualmente mal o intervalo de 1 mm necessário entre a roda-estrela e a rolha da maquinaria que coloca as tampas nos frascos de vacina.

Um total de cinco lotes sequenciais da vacina Moderna Covid-19 fabricada em Rovi entre 27 de junho e 3 de julho foram investigados. Os três primeiros foram embarcados para o Japão e posteriormente recolhidos após a descoberta de partículas, posteriormente determinadas como sendo de aço inoxidável, dentro de 39 frascos.

Mas um quarto lote falhou na inspeção após a descoberta de partículas em 2 de julho, e um quinto lote também foi retido por Rovi. Os problemas com os Lotes 4 e 5 foram relatados à Moderna, Takeda e ao ministério da saúde do Japão, mas os três primeiros lotes foram liberados para uso porque passaram na inspeção e não foram considerados afetados.

Na verdade, a configuração incorreta levou à persistência do problema ao longo da série de cinco lotes, mostrou a investigação.

Procedimentos operacionais aprimorados e o uso de uma nova ferramenta de precisão ajudarão a prevenir a recorrência do problema, disse o relatório.

As empresas e o ministério da saúde do Japão disseram que as partículas de aço inoxidável não representam nenhum risco adicional à saúde.