Principal >> Saúde >> Bebês de fertilização in vitro enfrentam maior risco de mortalidade nas primeiras semanas, estudo revela

Bebês de fertilização in vitro enfrentam maior risco de mortalidade nas primeiras semanas, estudo revela

Para o estudo, os pesquisadores selecionaram apenas bebês únicos e compararam a taxa de mortalidade daqueles nascidos com medidas de parto assistido e daqueles que foram concebidos naturalmente.

Crianças FIV, estudo sobre risco de mortalidade, notícias expressas indianasA associação entre FIV e mortalidade decorre do fato de que há muitos nascimentos prematuros em crianças concebidas por fertilização in vitro. (Fonte: Getty / Thinkstock)

Bebês que foram concebidos por meio de técnicas de reprodução assistida como a fertilização in vitro, ao contrário de naturalmente, correm um risco maior de mortalidade nas primeiras semanas de vida, um estudo conduzido pelo Karolinska Institutet na Suécia, e publicado no jornal Fertilidade e esterilidade , revelou.

De acordo com os pesquisadores, a associação entre a fertilização in vitro e a mortalidade decorre do fato de que há muitos partos prematuros em crianças concebidas por fertilização in vitro. O estudo, porém, afirma que o risco de mortalidade infantil ainda é muito pequeno para ambos os grupos e após o primeiro ano, não há diferença.

Para o estudo, os pesquisadores selecionaram apenas bebês únicos e compararam a taxa de mortalidade daqueles nascidos com medidas de parto assistido e daqueles que foram concebidos naturalmente. Foram analisados ​​os dados de quase 2,8 milhões de crianças nascidas na Suécia ao longo de um período de 30 anos. Destes, cerca de 43.500 bebês nasceram de técnicas assistidas.

TAMBÉM LEIA | Cuidado do recém-nascido: suas perguntas respondidas, de massagens a banhos e amamentação

Verificou-se que enquanto um total de 7.236 crianças morreram antes de completar um ano de idade, apenas 114 delas foram concebidas com técnicas de reprodução assistida. Depois de levar em consideração a idade da mãe e a infertilidade anterior, os pesquisadores chegaram à conclusão de que bebês concebidos por fertilização in vitro tinham um risco 45% maior de morte antes de um ano de idade. O nível de risco também depende do tipo de técnica de reprodução assistida e do número de dias desde o nascimento. O risco diminui após as primeiras semanas de vida, disse o estudo.

Tipo de técnica reprodutiva assistida

Entender isso é importante porque, de acordo com os resultados do estudo, bebês concebidos por transferência de um embrião congelado, tinham risco de morte mais de duas vezes maior do que aqueles concebidos naturalmente. No entanto, essa descoberta foi baseada em apenas uma pequena amostra e, após uma semana, o risco foi reduzido para o mesmo nível da concepção natural.

Também foi descoberto que bebês concebidos através da transferência de um embrião fresco, ou com a ajuda de uma 'injeção intracitoplasmática de espermatozóide' (ICSI) - onde um único espermatozóide é injetado no óvulo - não corriam um risco maior de mortalidade, independentemente de o número de dias desde o nascimento.

TAMBÉM LEIA | Infecção aguda de hepatite E na gravidez: dicas a serem lembradas

A explicação

Como mencionado antes, os pesquisadores entendem que isso pode ser porque mais bebês de fertilização in vitro nascem prematuramente. Além disso, a infertilidade pode causar mais complicações. As principais causas de mortalidade nesses bebês incluem: desenvolvimento pulmonar incompleto, dificuldade respiratória, infecções e hemorragia neonatal.