Principal >> Mundo >> A França ainda se irrita com o subúrbio do Indo-Pacífico

A França ainda se irrita com o subúrbio do Indo-Pacífico

Depois de se encontrar na quinta-feira com o secretário de Estado Antony Blinken à margem da Assembleia Geral da ONU, o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, referiu-se claramente à situação como uma 'crise' que levará tempo e ação dos EUA para ser superada.

Presidente da comissão, Emmanuel MacronO presidente francês Emmanuel Macron.

O telefonema desta semana entre o presidente Joe Biden e o presidente francês Emmanuel Macron pode ter acalmado um pouco da fúria incandescente da França sobre sua exclusão de uma nova iniciativa de defesa do Indo-Pacífico e a perda de um negócio de submarinos no valor de bilhões, mas a raiva e o ressentimento permanecem claros.

Depois de se reunir na quinta-feira com o Secretário de Estado Antony Blinken à margem da Assembleia Geral da ONU, o ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, referiu-se claramente à situação como uma 'crise' que levará tempo e levará a ação dos EUA para superar.

Como parte do pacto de defesa, a Austrália cancelará um contrato multibilionário para comprar submarinos franceses elétricos a diesel e, em vez disso, adquirir navios norte-americanos movidos a energia nuclear.

De acordo com Le Drian, ele e Blinken discutiram os termos e temas a serem tratados em um processo de consulta aprofundada entre os dois países com o objetivo de restaurar a confiança.

Le Drian afirmou que um primeiro passo foi dado com a convocação entre os dois presidentes, mas lembrou que demoraria para acabar com a crise entre os dois países e que seriam necessárias ações, segundo nota da chancelaria francesa.

Isso mesmo depois de Macron dizer a Biden que decidira enviar o embaixador de seu país de volta a Paris, em um movimento sem precedentes no auge da briga de volta a Washington.

Buscar uma reaproximação com o aliado mais antigo da América parece não ser fácil para o governo Biden, que quase não se desculpou por excluir a França de seu acordo Indo-Pacífico com a Grã-Bretanha e a Austrália e parece ter a intenção de superar os problemas.

Embora Le Drian tenha se demorado na mágoa e no dano causado ao relacionamento, nem Blinken nem o relato do Departamento de Estado sobre a reunião não mencionaram nada. Nem mencionaram confiança.

Falando a repórteres em uma coletiva de imprensa, Blinken disse que trabalharia em estreita colaboração com Le Drian no processo de consultas aprofundadas no futuro, mas ignorou a questão sobre se os EUA consideram a situação como uma 'crise' e se ele pediu desculpas a o ministro.

Reconhecemos que isso exigirá tempo e trabalho árduo e será demonstrado não apenas em palavras, mas em ações, e eu me comprometi a trabalhar em estreita colaboração com o Sr. Le Drian neste esforço crucial, disse Blinken. A título pessoal, gostaria apenas de acrescentar que ele e eu somos amigos há muito tempo, ele é alguém por quem tenho grande estima.

Os comentários de Blinken, no entanto, pareceram sugerir que ambos os lados precisavam trabalhar duro para que as consultas em profundidade tivessem sucesso.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse antes que os dois homens discutiram a Estratégia da UE para Cooperação no Indo-Pacífico, que os Estados Unidos acolhem, e a necessidade de cooperação estreita com a França e outros aliados e parceiros europeus ativos na região.