Principal >> Mundo >> A França diz que matou importante agente da Al-Qaeda no Norte da África em Mali

A França diz que matou importante agente da Al-Qaeda no Norte da África em Mali

Moussa, que estava listado nas listas dos EUA e das Nações Unidas de terroristas designados, foi morto na terça-feira após uma operação envolvendo tropas terrestres e helicópteros.

ISIS, Estado Islâmico, ataque à London Bridge, terrorismo, terrorismo no Paquistão, terrorismo na Índia, ataques terroristas, Express Opinion, Indian ExpressIsso ocorre depois de uma série de operações que viram as forças francesas matarem dezenas de combatentes islâmicos nas últimas semanas. (Arquivo)

As forças francesas mataram Bah ag Moussa, um líder militar da ala norte da África da Al Qaeda, durante uma operação no nordeste do Mali, disse a ministra das Forças Armadas da França, Florence Parly, na sexta-feira.

O ex-coronel do exército do Mali, também conhecido como Bamoussa Diarra, era um braço direito de Iyad Ag Ghali, o líder do grupo jihadi mais proeminente do Mali, Jama'at Nusrat al-Islam wal-Muslimin (JNIM), que atacou repetidamente soldados e civis no Mali e no vizinho Burkina Faso.

Uma figura histórica do movimento jihadista no Sahel, Bah ag Moussa é considerado responsável por vários ataques contra o Mali e as forças internacionais, disse Parly em um comunicado.

Moussa, que estava listado nas listas dos EUA e das Nações Unidas de terroristas designados, foi morto na terça-feira após uma operação envolvendo tropas terrestres e helicópteros.

Este é um grande sucesso na luta contra o terrorismo, disse Parly.

Isso ocorre depois de uma série de operações que viram as forças francesas matarem dezenas de combatentes islâmicos nas últimas semanas.

O ministério da defesa da França disse na noite de sexta-feira que o último resultou na morte de várias dezenas de pessoas identificadas como combatentes militantes em uma operação aérea e terrestre no sul do Mali na quinta-feira.

A França, ex-potência colonial, tem mais de 5.100 funcionários espalhados pela região, com uma grande parte no Mali operando contra o aumento da militância.