Principal >> Mundo >> França: trem regional atinge quatro pessoas, matando três

França: trem regional atinge quatro pessoas, matando três

As pessoas estavam supostamente deitadas nos trilhos do trem na manhã de terça-feira. Uma pessoa foi levada ao hospital em estado crítico.

França, acidente de trem na França, acidente, migrantes, Indian Express, Indian Express news, notícias do mundo, assuntos atuaisUm trem regional francês atingiu quatro pessoas nos trilhos no sudoeste do país. (Representacional / Reuters)

Um trem atingiu quatro pessoas que estavam nos trilhos na manhã de terça-feira, perto de Saint-Jean-de-Luz, no sudoeste da França, disse um porta-voz da companhia ferroviária nacional do país SNCF à DW.

Três pessoas morreram no incidente.

Uma quarta pessoa foi tratada no local pela primeira vez e depois levada para o hospital em estado crítico.

O que sabemos até agora:

  • O incidente ocorreu por volta das 5h30, hora local (07h30 UTC)
  • O incidente ocorreu a cerca de 0,5 km (0,3 milhas) da estação ferroviária Saint-Jean-de-Luz, na cidade de Ciboure
  • As vítimas foram atingidas por um trem expresso regional viajando entre Hendaye e Bordeaux
  • Uma investigação foi aberta
  • Os serviços de trem foram retomados gradualmente a partir das 8h15.

Quem foram as vítimas?

A France Bleu, uma emissora pública local, informou que duas das vítimas foram identificadas como cidadãos argelinos.

Acredita-se que os atingidos sejam migrantes, informou a emissora privada francesa RTL, citando o promotor público de Bayonne, Jerome Bourrier, que estava no local.

O prefeito de Ciboure, Eneko Aldana-Douat, especificou que os quatro migrantes estavam dormindo ou deitados nos trilhos, informou o jornal Le Parisien.
Migrantes argelinos são comuns na França

A Argélia é uma ex-colônia francesa que conquistou a independência em 1962. Os cidadãos argelinos constituem um dos maiores grupos de migrantes do país.

A França anunciou no final de setembro que planeja reduzir drasticamente o número de vistos concedidos a pessoas da Argélia, Marrocos e Tunísia. Disse que isso se devia à recusa dos governos em aceitar de volta os migrantes ilegais expulsos da França.