Principal >> Mundo >> Etiópia: Forças governamentais ‘capturam a segunda maior cidade de Tigray’

Etiópia: Forças governamentais ‘capturam a segunda maior cidade de Tigray’

O governo etíope afirma ter capturado a cidade de Adigrat na região de Tigray, atingida pela insurgência. Enquanto isso, o primeiro-ministro Abiy Ahmed rejeitou um impulso da União Africana para mediar a guerra com as forças rebeldes do norte.

Militar da Etiópia, Exército da Etiópia, Conflito de Tigray na EtiópiaEtiópia: As tropas federais têm lutado com forças da Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), o partido político governante da região que agora foi designado um grupo rebelde. (Agência de Notícias da Etiópia / AP)

O gabinete do primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, anunciou no sábado que as forças de segurança do governo haviam capturado a cidade de Adigrat e avançavam sobre Mekele, capital da região norte de Tigray.

A Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF) disse que nove pessoas morreram entre pesadas baixas civis durante um ataque das tropas federais a Adigrat.

A região de Tigray enfrenta uma rebelião desde o início deste mês. Em 4 de novembro, as forças de segurança leais à TPLF atacaram o Comando Norte da Força de Defesa Nacional da Etiópia (ENDF) em Mekelle, matando várias pessoas.

Enquanto a TPLF alegou que o ataque foi realizado em legítima defesa, o PM Abiy disse que a TPLF cruzou a linha vermelha e ordenou uma ofensiva militar.

Centenas, possivelmente milhares, morreram nas últimas semanas e mais de 30.000 refugiados fugiram para o Sudão. O conflito também se espalhou para além de Tigray, cujas forças dispararam foguetes na região vizinha de Amhara e na Eritreia.

Esforços de mediação

Enquanto isso, a União Africana (UA) anunciou que enviará um enviado especial para mediar entre o governo e a TPLF, que também é o partido político no poder da região

A principal tarefa dos enviados especiais é envolver todas as partes no conflito com vista a pôr fim às hostilidades, criando condições para um diálogo nacional inclusivo para resolver todas as questões que levaram ao conflito e restaurando a paz e estabilidade na Etiópia, disse a UA no Twitter.

O governo etíope, entretanto, negou que a visita estivesse acontecendo.

A notícia que circula de que os enviados estarão viajando para a Etiópia para mediar entre o governo federal e o elemento criminoso da TPLF é falsa, de acordo com um tweet do escritório de Abiy.

Abiy, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz no ano passado por um acordo de paz com a vizinha Eritreia, disse que deseja remover os líderes da TPLF antes das negociações.

Abiy também nomeou um governo provisório alternativo para administrar Tigray.

A TPLF é popular na região de Tigray e dominou a política nacional até 1991.