Principal >> Mundo >> O veneno da víbora brasileira pode se tornar uma ferramenta na luta contra a COVID, mostra estudo

O veneno da víbora brasileira pode se tornar uma ferramenta na luta contra a COVID, mostra estudo

Um estudo publicado na revista científica Molecules este mês descobriu que a molécula produzida pela jararacussu pit viper inibiu a capacidade do vírus de se multiplicar em células de macaco em 75%.

O jararacussu é uma das maiores cobras do Brasil, medindo até 2 metros de comprimento. Vive na costa da Mata Atlântica e também é encontrada na Bolívia, Paraguai e Argentina. (Reuters)

Pesquisadores brasileiros descobriram que uma molécula do veneno de um tipo de cobra inibia a reprodução do coronavírus em células de macacos, um possível primeiro passo em direção a uma droga para combater o vírus causador do COVID-19.

Um estudo publicado na revista científica Molecules este mês descobriu que a molécula produzida pela jararacussu pit viper inibiu a capacidade do vírus de se multiplicar em células de macaco em 75%.

'Conseguimos mostrar que esse componente do veneno de cobra é capaz de inibir uma proteína muito importante do vírus', disse Rafael Guido, professor da Universidade de São Paulo e autor do estudo.

A molécula é um peptídeo, ou cadeia de aminoácidos, que pode se conectar a uma enzima do coronavírus chamada PLPro, vital para a reprodução do vírus, sem prejudicar outras células.

Leia também|Explicação: Qual é a variante C.1.2 da Covid-19 e as vacinas funcionarão contra essa cepa?

Já conhecido por suas qualidades antibacterianas, o peptídeo pode ser sintetizado em laboratório, disse Guido em entrevista, tornando desnecessária a captura ou criação de cobras.

Desconfiamos que as pessoas vão caçar o jararacussu pelo Brasil, pensando que vão salvar o mundo ... Não é isso! disse Giuseppe Puorto, herpetologista que comanda a coleção biológica do Instituto Butantan em São Paulo. Não é o veneno em si que vai curar o coronavírus.

Os pesquisadores vão avaliar a seguir a eficiência de diferentes doses da molécula e se ela é capaz de evitar que o vírus entre nas células em primeiro lugar, segundo nota da Universidade Estadual Paulista (Unesp), também envolvida no pesquisar.

Eles esperam testar a substância em células humanas, mas não forneceram um cronograma.

O jararacussu é uma das maiores cobras do Brasil, medindo até 2 metros de comprimento. Vive na costa da Mata Atlântica e também é encontrada na Bolívia, Paraguai e Argentina.