Principal >> Noticias Do Mundo >> A presidente Dilma Rousseff sofreu impeachment, e agora?

A presidente Dilma Rousseff sofreu impeachment, e agora?

Dilma Rousseff é acusada de usar truques contábeis para esconder déficits orçamentários e apoiar um governo em apuros.

Brasil, impeachment de Dilam Rousseff, impeachment da presidente do Brasil, impeachment de DIlma Rousseff, impeachment de DilmaA ex-presidente Dilma Rousseff do Brasil. REUTERS / Adriano Machado

O Senado brasileiro votou na quinta-feira o impeachment da presidente Dilma Rousseff, uma medida que a remove temporariamente do cargo enquanto um julgamento é realizado. Rousseff é acusada de usar truques contábeis para esconder déficits orçamentários e apoiar um governo em apuros. Dilma há muito argumenta que não fez nada de errado.

Mas a decisão do Senado não é o fim da luta política ou dos problemas econômicos e de corrupção que alimentaram o processo de impeachment.

A Associated Press explica o que vem a seguir:

O QUE AGORA?

O Senado agora tem até 180 dias para votar se removerá permanentemente Dilma Rousseff nas acusações de improbidade. Muitos analistas dizem que o Senado chegará a um veredicto em menos tempo, embora um cronograma não tenha sido definido.

Nesse ínterim, o vice-presidente Michel Temer assumirá temporariamente a presidência. Se o Senado votar pela destituição de Dilma, Temer cumprirá seu mandato, terminando em 31 de dezembro de 2018.

___

ROUSSEFF TEM OPÇÕES?

Dilma repetidamente prometeu lutar contra o que ela caracteriza como um golpe de Estado moderno. Falando na quinta-feira após a votação do impeachment, Dilma disse que usaria todos os meios legais nesse esforço.

Na realidade, porém, Dilma Rousseff tem poucas opções. Os apelos ao supremo tribunal falharam e até agora ela não foi capaz de reunir protestos massivos do tipo que poderia colocar séria pressão sobre o governo de Temer, talvez porque os problemas econômicos tenham corroído sua popularidade.

___

O QUE SE ESPERA DO TEMER?

Temer, do centrista Partido do Movimento Democrático, disse que expandiria os programas populares de bem-estar social, embora também tenha sinalizado que reduziria os gastos do governo e privatizaria muitas empresas estatais.

Ele formou um gabinete favorável ao mercado com figuras pró-negócios em uma tentativa de restaurar a confiança. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, chefiou o banco central durante um dos períodos mais prósperos do Brasil: as duas administrações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando a economia do país crescia 4% ao ano em média.

___

TEMER PODE REALMENTE RETORNAR A ECONOMIA?

Os economistas dizem que um dos maiores problemas são os altos gastos do governo, especialmente para manter um sistema previdenciário muito generoso. As reformas estruturais mostraram-se impossíveis para os governos anteriores, incluindo o de Dilma.

Resta saber se Temer terá capital político, ou desejo, para lançar medidas que serão particularmente impopulares em um momento em que o país já está sofrendo sua pior recessão desde os anos 1930.

___

O QUE ACONTECE COM A LIMPEZA DA CORRUPÇÃO?

O enxerto é tão endêmico no Brasil que cerca de 60% dos 594 legisladores no Congresso enfrentam acusações de corrupção ou outras formas de delito.

A raiva por causa de um esquema de propina multibilionária na estatal Petrobras prejudicou Rousseff. Embora ela nunca tenha sido implicada, grande parte da suposta corrupção aconteceu durante os 13 anos em que o Partido dos Trabalhadores esteve no poder.

O próprio Temer foi implicado - embora nunca tenha sido acusado ou preso - na investigação da Petrobras. Muitos temem que ele tente enfraquecer a investigação.

___

QUAL É O UPSHOT?

Para os partidários do governo, a pressão do impeachment equivale a um golpe porque Rousseff não foi acusada de um crime. Eles dizem que a classe dominante tradicional do Brasil está nervosa com o movimento social sob o Partido dos Trabalhadores de Dilma e está aproveitando a oportunidade para retomar o poder.

Os oponentes dizem que a manobra de fundos do governo foi ilegal e uma tentativa de mascarar os problemas que exacerbaram a recessão, como enormes lacunas orçamentárias que surgiram no ano passado. Eles dizem que o impeachment não pode ser considerado um golpe porque é permitido pela constituição.

Dito de outra forma, este conflito está longe de terminar.