Principal >> Mundo >> Museu do Holocausto na Argentina revela relíquias nazistas

Museu do Holocausto na Argentina revela relíquias nazistas

As relíquias incluíam bustos de Adolf Hitler e um tabuleiro Ouija nazista, usado para tentar contatar os mortos. A Argentina é o lar da maior população judaica da América Latina - mas também foi o lar de muitos nazistas após a Segunda Guerra Mundial.

A coleção inclui bustos de Adolf Hitler, uma estátua de uma águia germânica em uma base com uma suástica, uma ampulheta que pertencia a um membro da temida SS de Hitler e jogos para doutrinar crianças no nazismo.

O Museu do Holocausto da Argentina exibiu um tesouro de relíquias nazistas que planeja adicionar à sua coleção. As relíquias foram originalmente confiscadas pelas autoridades argentinas em 2017, durante uma invasão a um colecionador particular por posse ilegal de arte e artefatos arqueológicos.

Depois de comprovar a autenticidade dos objetos, com a ajuda de especialistas da Alemanha, as autoridades decidiram ceder a guarda do museu sobre eles.

A instituição foi inaugurada em 2001 e é o único museu do Holocausto na América Latina. Atualmente em reforma, está programado para reabrir em dezembro, quando a coleção nazista será exibida.

‘Ódio, morte e destruição’

A coleção inclui bustos de Adolf Hitler, uma estátua de uma águia germânica em uma base com uma suástica, uma ampulheta que pertencia a um membro da temida SS de Hitler e jogos para doutrinar crianças no nazismo.

Os itens incentivaram o ódio, a morte e a destruição, disse Marcelo Mindlin, presidente do museu. A grande surpresa desses objetos foi que eles não poderiam pertencer a ninguém, mas a alguém na hierarquia nazista.

A grande coleção também inclui instrumentos de medição craniana, uma foto original de uma aeronave tirada pelo fotógrafo oficial de Hitler, Heinrich Hoffmann, um conjunto de lupas e um tabuleiro Ouija.

Mindlin disse que as relíquias, algumas das quais podem ser vistas no clipe em espanhol do Ministério da Segurança abaixo, foram adicionadas ao museu a serviço da transmissão de valores democráticos, educação e luta pela memória, para que tragédias como o Holocausto não sejam. repetido.

‘Milhares de nazistas’ fugiram para a Argentina

A Argentina é o lar da maior população judaica da América Latina, mas também é o lugar onde muitos nazistas de alto escalão acabaram no final da Segunda Guerra Mundial.

Isso incluiu funcionários como Adolf Eichmann, que foi um dos principais proponentes e executores da campanha para exterminar os judeus da Europa.

Ele viveu na Argentina sob um pseudônimo até ser capturado por agentes israelenses perto de Buenos Aires em 1960.

Havia milhares e milhares de nazistas aqui, disse Eva Fon de Rosenthal, uma sobrevivente do Holocausto húngara de 94 anos que compareceu ao evento.

Isso reflete o poder dos nazistas e o forte sentimento em relação ao nazismo que eles tinham para investir e gastar nesses objetos, disse ela sobre as relíquias.

A ministra da Segurança argentina, Patricia Bullrich, também presente, indicou que o museu pode um dia dedicar seu espaço para enfrentar a difícil relação da Argentina com o nazismo.